Sindicato das Empresas de Rádio e TV do RS | (51) 3231-4260
Além da retomada econômica, migração AM-FM pode movimentar o rádio em 2021
Segunda, 11 de Janeiro de 2021

Além da retomada econômica, migração AM-FM pode movimentar o rádio em 2021

Setor vive expectativa da possibilidade de uso do eFM (FM estendido) neste ano, que colocaria os maiores mercados do país no mapa da migração AM-FM

Análise - Nada mais natural do que realizar projeções e ter expectativas para um ano que foi iniciado há poucos dias. E para 2021, além das tendências apontadas numa eventual retomada econômica do país, o rádio brasileiro também vive a expectativa de poder contar com suas maiores praças no processo de migração AM-FM, este que tem mudado as características de vários mercados. Para ter São Paulo e Rio de Janeiro neste jogo, por exemplo, é necessário o uso do eFM (faixa estendida de FM), algo que poderá ser uma realidade neste ano.

No final de 2020, o mercado acompanhou a liberação da consulta pública de número 70, que trata justamente do uso do eFM para a migração AM-FM nas áreas onde o FM tradicional já está congestionado. É aconteceu o esperado: o setor mergulhou nesses dados, fez os comentários a partir de vários estudos e, segundo informações apuradas pelo tudoradio.com, ainda existem espaços no FM estendido para contemplar migrantes de vários mercados, principalmente no interior dos estados do centro-sul do país.

Resultado: a expectativa para este primeiro trimestre é de que o rádio conheça as faixas definitiva em eFM que serão utilizadas em praças como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Salvador, entre outras, assim como aqueles mercados que ainda serão contemplados com ajustes na faixa FM convencional.

De qualquer forma, a migração AM-FM tem um forte impacto no setor. Por um lado, pode ampliar a concorrência entre as emissoras já existentes, mas também tem ampliado a oferta de formatos de programação em diferentes regiões, o que aquece o setor. Para a audiência, principal ativo do meio, o processo tem sido positivo, ampliando a oferta de opções. Nos mercados onde a variedade de formatos é maior, o alcance do rádio tende a crescer.

Claro que os benefícios comerciais desse processo passam por vários pontos distintos: eventual retomada econômica no país, a construção da audiência em eFM para as rádios que utilizarem essa nova faixa, a aquisição de receptores capazes de sintonizar as sintonias estendidas (a oferta de receptores no país é crescente, inclusive pela indústria automotiva), capacidade de divulgação das rádios sobre as novas frequências, entre outros detalhes importantes.

A aceleração da migração AM-FM em 2021, hoje que conta com mais de 750 rádios em FM convencional mapeadas pelo tudoradio.com, também é somada a outros fatores de modernização vividos pelo rádio brasileiro. A atuação multiplataforma (entre on e offline) para a distribuição de conteúdo, aproveitando o avanço tecnológico, tem funcionado como fatores determinantes no fortalecimento do rádio. Basta lembrar que, apesar das dificuldades impostas pelos fatos de 2020, o rádio cresceu em relevância, algo que é base de sustentação para o meio.

Fonte: Tudo Rádio
Compartilhe esta notícia:

Sindicato das Empresas de Rádio e TV do RS
Av. Getúlio Vargas, 774 - CJ 604 - Bairro Menino Deus
CEP: 90.150-002 - Porto Alegre - RS
FONE: (51) 3231-4260
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ACESSE NOSSAS REDES

SINDIRÁDIO ® TODOS OS DIREITOS RESERVADOS