NOTÍCIAS   PÁGINA INICIAL
05/02/18
CURIOSIDADE: MAIORIA NÃO APROVA PROPOSTA DE ACABAR COM TAXA DE RÁDIO E TELEVISÃO NA SUIÇA
São Paulo – Plebiscito que vai tratar do assunto será em março

 

Segundo a primeira pesquisa de opinião do instituto Gfs.Bern, a iniciativa "No Billag" (que visa acabar com a taxa paga para se ouvir rádio e ver TV na Suiça) deverá ser rechaçada nas urnas no plebiscito de 4 de março de 2018. A maioria dos eleitores é contra a proposta, cuja aprovação teria por consequência a supressão da taxa que financia o serviço público de mídia do país. 
Realizada a pedido da Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSR), a pesquisa de opinião do instituto Gfs.Bern indica que 60% dos entrevistados votariam "não" e 38% "sim" à iniciativa que põe fim à cobrança da taxa de rádio e televisão (também chamada “No Billag”, em alusão à empresa que antes fazia a cobrança dos lares).
A pouco mais de um mês, a proporção de eleitores indecisos é baixa: 2%. Além disso, 74% dos eleitores declaram estar seguros da sua posição. A formação de opinião é considerada avançada, o que "limita as possibilidades de uma reviravolta da opinião nas próximas semanas", indicam os pesquisadores.
O apoio ao fim da taxa aumenta à medida que os eleitores pendem à direita. Já os simpatizantes do Partido Verde e do Partido Socialista rejeitam a proposta com uma grande maioria: respectivamente 88% e 79%. No espectro político dos partidos de centro, o grupo do "não" é majoritário com 73% para os simpatizantes do Partido Democrata-Cristão e 68%, do Partido Liberal. 
O grupo mais favorável à iniciativa "No Billag" encontra-se entre os partidários da União Democrática do Centro (UDC, direita conservadora): 66%. Os jovens eleitores (entre 18 e 30 anos), qualificados pelos pesquisadores de "geração Netflix", representam o único grupo etário favorável à iniciativa ao fim da taxa: 51%. 
O principal argumento dos defensores da iniciativa é afirmar que a SSR, a empresa pública de rádio e televisão da Suíça, se tornou demasiadamente grande e que deve economizar. Para os adversários, a proposta de suprimir a taxa de rádio e televisão provocará uma redução drástica da oferta de mídia no país.
Com informações da swissinfo.ch

Segundo a primeira pesquisa de opinião do instituto Gfs.Bern, a iniciativa "No Billag" (que visa acabar com a taxa paga para se ouvir rádio e ver TV na Suiça) deverá ser rechaçada nas urnas no plebiscito de 4 de março de 2018. A maioria dos eleitores é contra a proposta, cuja aprovação teria por consequência a supressão da taxa que financia o serviço público de mídia do país. 

 

Realizada a pedido da Sociedade Suíça de Radiodifusão e Televisão (SRG SSR), a pesquisa de opinião do instituto Gfs.Bern indica que 60% dos entrevistados votariam "não" e 38% "sim" à iniciativa que põe fim à cobrança da taxa de rádio e televisão (também chamada “No Billag”, em alusão à empresa que antes fazia a cobrança dos lares).

 

A pouco mais de um mês, a proporção de eleitores indecisos é baixa: 2%. Além disso, 74% dos eleitores declaram estar seguros da sua posição. A formação de opinião é considerada avançada, o que "limita as possibilidades de uma reviravolta da opinião nas próximas semanas", indicam os pesquisadores.

 

O apoio ao fim da taxa aumenta à medida que os eleitores pendem à direita. Já os simpatizantes do Partido Verde e do Partido Socialista rejeitam a proposta com uma grande maioria: respectivamente 88% e 79%. No espectro político dos partidos de centro, o grupo do "não" é majoritário com 73% para os simpatizantes do Partido Democrata-Cristão e 68%, do Partido Liberal. 

 

O grupo mais favorável à iniciativa "No Billag" encontra-se entre os partidários da União Democrática do Centro (UDC, direita conservadora): 66%. Os jovens eleitores (entre 18 e 30 anos), qualificados pelos pesquisadores de "geração Netflix", representam o único grupo etário favorável à iniciativa ao fim da taxa: 51%. 

 

O principal argumento dos defensores da iniciativa é afirmar que a SSR, a empresa pública de rádio e televisão da Suíça, se tornou demasiadamente grande e que deve economizar. Para os adversários, a proposta de suprimir a taxa de rádio e televisão provocará uma redução drástica da oferta de mídia no país.

 

Com informações da swissinfo.ch

 



Fonte: TUDO RÁDIO
 
   
Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão no Estado do Rio Grande do Sul
Av. Getúlio Vargas, 774 - cj 604 - Bairro Menino Deus
CEP: 90.150-002 - Porto Alegre - RS - Fone: (51) 3231-4260
 
Sindiradio ® Todos os direitos reservados